Ser diferente é normal

Escola Franciscana Imaculada Conceição
Ser diferente é normal
Reflexão levou alunos a enxergarem as diferenças como algo saudável para a convivência

A educação emocional não pode ser apenas um objetivo proposto pela LDB, necessita ser uma prática nas relações dentro e fora da escola. Para fortalecer o respeito às diferenças, a professora Amanda Barros realizou uma atividade especial com a turma de 2º ano C, do Ensino Fundamental (anos iniciais), contando com a ajuda e apoio da psicóloga Maristela Valese, com a professora de alunos especiais, Lindinalva Santos e com a colega Idiane Correia.

“Enfrentamos muitos desafios diários que nos cercam nos espaços pelos quais passamos. Hoje, em especial, quero falar sobre a sala de aula que é um universo com vários mundos, histórias, famílias, gostos e preferências. Enfim, diferentes entre si e, ao mesmo tempo, quando estamos juntos, somos completamente iguais, quando precisamos cumprir os nossos deveres dentro deste universo”, ressaltou a professora Amanda na abertura da atividade.

Os estudantes ouviram música e história, dançaram no ambiente escolar, numa dinâmica conduzida por Maristela e Lindinalva. Cada um recebeu uma folha, sendo convidado para retirar um saquinho de dentro de uma caixa mágica. Nele, havia massinha de modelar, tinta, algodão, papel crepom, linha e outros materiais. Cada criança foi estimulada a desenhar ou criar com o material que tinha em seu saquinho a figura de um menino ou de uma menina. Eles ainda usaram seus materiais pessoais como estojo, tesoura, cola. Após a criação, os trabalhos foram anexados em um mural.

Depois de perceberem que cada aluno havia feito um desenho diferente, a psicóloga Maristela fez uma reflexão com as crianças de que todos são diferentes, que as coisas acontecem em tempos diferentes na vida de cada um, que cada ser humano tem a sua habilidade e que o respeito precisa estar presente nas ações dentro da sala e fora dela, no ambiente escolar e fora dele também.

“Foi muito gratificante ver o entusiasmo e a participação de cada criança”, registrou a professora Amanda, esclarecendo que o que a motivou a fazer essa atividade foi as diferenças entre os educandos. “Vejo que essa atividade irá consolidar os alunos com relação ao respeito para com o outro dentro do ambiente escolar, com as atividades propostas, provas e propostas pedagógicas diferentes dentro do mesmo ambiente. Isso os levará a compreenderem que cada um tem seu tempo para desenvolver e executar as atividades propostas em sala de aula e fora dela”, considera ela, esperando um ambiente mais saudável em atitudes e posicionamentos, proporcionando assim o bem comum de todo, independente da fase em que se encontra.

Na fala dos alunos, a certeza de que a lição foi aprendida de forma leve: “Tia, minhas primas são gêmeas e elas são diferentes”, disse a pequena Laura Santana. “Foi muito legal fazer essa atividade”, elogiou Miguel Paredes.

Notícias