Alunos descobrem formas diferentes de pesquisa

Escola Franciscana Imaculada Conceição
Alunos descobrem formas diferentes de pesquisa
Bibliotecária ensinou alunos a buscarem informações de forma manual

Por muito tempo as enciclopédias foram fonte de saber e algumas alcançaram status por sua abrangência de assuntos. Nos dias atuais, entretanto, o mundo digital mudou essa referência e a pesquisa por meio da internet é a prática vigente. Conhecer antigas enciclopédias e a estrutura textual do verbete levou a turma do 4º ano C a uma vivência diferente proposta pela professora Martha Alexandra Pitzschk.
Primeiramente a turma foi à biblioteca de pesquisa da escola e, com a colaboração da bibliotecária Cláudia, puderam conhecer e manusear enciclopédias. Ela explicou aos alunos o que é, como e quando é usada uma enciclopédia. Em outro momento, a turma voltou para que cada aluno pesquisasse algo de seu interesse para aplicar os conhecimentos adquiridos.
“Após conhecerem e manusearem uma enciclopédia, fomos ao laboratório de informática para fazermos pesquisas na enciclopédia digital e traçarmos diferenças e semelhanças entre as enciclopédias”, revela a professora, destacando que seus alunos perceberam que na enciclopédia digital aparecem mais informações, a pesquisa é mais rápida e as informações, atualizadas. 
“Hoje em dia não é comum fazermos pesquisas em enciclopédia antigas. Foi uma experiência nova e divertida porque conhecemos como nossos pais e avós faziam seus trabalhos de pesquisas da escola. Foi bom pesquisar do jeito antigo porque hoje ficamos muito tempo na internet e fazer algo diferente foi bem legal”, considerou a aluna  Olívia Manfré.
E ela não foi a única a aprovar a atividade. “Percebi que as crianças gostaram muito de ir à biblioteca e manusear o material de pesquisa. Eles me pediram para que voltássemos outro dia para fazerem mais pesquisas já que, acostumadas às pesquisa por meio internet, realizá-la na enciclopédia antiga chamou a atenção  dos alunos e o trabalho foi prazeroso”, conta a professora que conseguiu, também, despertar o espírito científico nos pequenos alunos.
 

Notícias